sexta-feira, 23 de março de 2007

Peugeot 207 CC já está disponível em Portugal

A rede de Concessionários Peugeot acaba de lançar em Portugal o novo 207 CC. Disponível a partir de 24.100 €, este modelo marcante, que constitui a nova estrela da gama 207, reúne todos os trunfos para se afirmar no universo das viaturas prazer e
ultrapassar o sucesso do 206 CC, o Coupé Cabriolet mais vendido no mundo.
O 207 CC é a segunda silhueta da geração 207 a apresentar-se aos clientes nacionais, após o lançamento bem sucedido da berlina de 3 e 5 portas.

Coupé 100% Coupé e Cabriolet 100% Cabriolet, através do seu tejadilho retráctil integralmente automático, o 207 CC não se limita a suceder ao 206 CC, dá um salto de geração em todos os domínios essenciais.

Com efeito, em Portugal, o 206 CC marcou o rumo. O modelo confirmou plenamente a sua aceitação por parte dos clientes, tendo sido o coupé cabriolet mais vendido do mercado, no período entre 2001 e 2006, com um total de 2.579 unidades.

Agora, o sucessor 207 CC leva mais além toda a experiência da Marca na concepção de coupés cabriolets. O novo modelo partilha os seus aspectos essenciais com a berlina 207, mas ao mesmo tempo combina qualidades que fazem a diferença entre os coupés-cabriolets neste nível de gama. Vector de imagem e de paixão, o 207 CC dirige-se prioritariamente aos consumidores que pretendem uma viatura dinâmica, desportiva, de forte valorização estética e que proporcione um conjunto de sensações: vivacidade, elegância, potência e prazer de condução.

quinta-feira, 22 de março de 2007

Toyota Hilux

Quase em simultâneo com a comemoração dos seus 40 anos de existência, a já histórica Toyota Hilux dá a conhecer a sua sexta geração. A ocasião justifica-o. E as prendas são muitas para os adeptos desta pick-up nipónica - e não são poucos, se tivermos em conta os doze milhões de unidades vendidas em todo o mundo até aos dias de hoje. À cabeça das novidades temos o motor 3.0 D-4D, com injecção common--rail de segunda geração, turbo de geometria variável e sistema de controlo de turbulência, para ajudar no convívio entre dois mundos: o lazer e as investidas fora de estrada.

Talvez por isso este bloco de 171 cv e um binário de 343 Nm, constante entre as 1400 e as 3400 rpm, esteja apenas disponível na versão Hilux Tracker, aquela que, segundo a marca, mais se afasta da componente laboral.
Mas, se nas investidas pelo todo-o-terreno, esta pick-up mostra toda a sua competência, já em estrada, mesmo a versão mais potente denota uma certa prisão de movimentos. Por seu turno, o motor 2.5 D-4D possui agora 120 cv e apresenta um binário máximo de 325 Nm às 2000 rpm, não sendo absolutamente significativas as diferenças, em termos de força, sentidas por quem se senta numa e noutra versão.

Ambos os blocos cumprem com as normas Euro IV e recorrem a uma caixa manual de cinco velocidades, existindo como opcional, pela primeira vez, uma transmissão automática de seis relações - apenas para o motor 3.0 D-4D. As atenções mecânicas dirigiram-se ainda para o châssis, que está agora mais rígido (longarinas 45% mais duras), beneficiando ainda de uma nova suspensão frontal independente, enquanto que a traseira recorre a molas de lâminas, argumentos que visam capacitar a pick-up para uma condução mais competente em utilização quotidiana.

Fiat Bravo

"Foi com grande pompa e circunstancia que a Fiat revelou o novo Bravo, sucessor do discreto Stilo, que vem relançar a marca no competitivo mercado dos familiares compactos. Com a presença de cerca de 3000 convidados, incluindo 600 jornalistas de todo o mundo, o espectáculo de apresentação do modelo, criado especialmente pela prestigiada companhia de circo "Le Cirque du Soleil", terminou com fogo de artifício e labaredas a envolver o imponente Estádio de Mármore, em Roma, monumento que celebra o renascimento da arquitectura clássica grego-romana.

A escolha do local e o espectáculo pomposo reflectem a necessidade da Fiat - que registou, em 2006, os seus primeiros lucros em anos -, em transformar o Bravo num símbolo do seu próprio renascimento no mercado europeu, servindo também de alavanca para uma nova fase de crescimento.

Para apagar a imagem do Stilo e assegurar um lugar ao sol no segmento, o Bravo tenta recuperar valores que asseguraram os maiores sucessos comerciais da marca, como é o caso de um design dinâmico e emotivo, de um desempenho dinâmico e motores com um toque desportivo e de um preço bastante competitivo. Em Portugal, esta fórmula só poderá ser avaliada a partir de Novembro próximo, embora só em Janeiro de 2008 atinja a sua expressão máxima, com a chegada dos motores mais apelativos para o nosso país."
in Auto Motor

quinta-feira, 15 de março de 2007

Peugeot 307 com três milhões de unidades produzidas

Peugeot 307 com três milhões de unidades produzidas Comercializado desde 26 de Abril de 2001, o Peugeot 307 comemorou ontem, dia 14 de Março, a produção do exemplar número três milhões. Esta unidade, um 307 Sedan com motor a gasolina 1.6 de 110 cv foi fabricada nas instalações de Palomar, próximo de Buenos Aires na
Argentina.

«Carro do ano 2002», o 307 inaugurou, no seio da Marca, a política dita “margarida”, com múltiplas silhuetas de personalidade forte (Berlinas de 3, 4 e 5 portas, Break, SW ou CC, sem esquecer o 307 WRC, que sucedeu ao 206 WRC no Campeonato do Mundo de Ralis em 2004 e 2005).

Para além da riqueza das suas silhuetas, o capital de sedução internacional do 307 baseia-se numa oferta diversificada de 7 motorizações a gasolina, debitando entre 90 cv e 180 cv e 4 motorizações diesel HDI, cujas potências variam entre 90 cv e 136 cv. Em 2006, o mix de combustíveis da gama 307 ditou uma taxa de dieselização de 54 % a nível mundial, de 64 % na Europa, enquanto que em Portugal atingiu 91 %.

O 307 é fabricado actualmente ao ritmo de 2 050 unidades diárias em quatro fábricas (Sochaux, Mulhouse, Palomar na Argentina e Wuhan na China).