quarta-feira, 22 de julho de 2009

207 renova-se - Novos argumentos de sedução para um modelo apetecível

Líder europeu entre os automóveis compactos em 2007 e 2008, o Peugeot 207 será renovado este Verão. A nova identidade do modelo aparecerá em Portugal na segunda quinzena de Julho e será integrada numa renovação da gama, com novos argumentos para aumentar o sucesso do modelo: novas versões, novos materiais de ainda maior qualidade, novos “packs” de equipamento e mais um motor disponível para o acesso à gama.

Com uma gama assente em três silhuetas atraentes e de grande sucesso, o 207 assumiu em 2007 a liderança do mercado europeu das viaturas compactas, posição que repetiu em 2008, com 423.700 unidades vendidas.

Para levar ainda mais longe o seu sucesso comercial, já a partir deste mês o 207 recebe novos argumentos estéticos e novas prestações que virão modernizar o modelo em três eixos:

· Estética de maior estatuto

Evolução do estilo exterior, com:
- uma frente que alia dinamismo natural e equilíbrio
- um acréscimo notório de superficíes pintadas e de elementos cromados
- novos farolins traseiros com rampas de diodos luminescentes (berlina e CC)

Estilo do habitáculo ainda de maior estatuto, com:
- novos revestimentos e novas decorações que reforcam a elegância, o conforto e o dinamismo
- novas fachadas técnicas modernizadas estética e qualitativamente.

· Maior economia de utilização e respeito pelo ambiente

- através de motorizações particularmente sóbrias e com emissões reduzidas de gases com efeito de estufa
- pela optimização da resistência ao rolamento dos pneus, melhorando a economia de utilização
- por uma nova oferta de “muito baixo consumo” optimizada em termos aerodinâmicos (Cx excepcional de apenas 0,274), de estratégia de funcionamento do motor e de resistência ao rolamento, permitindo uma redução das emissões de CO2 para 99 g/ km (disponível posteriormente)
- pelo alargamento progressivo da oferta de motores que cumprem a norma Euro5
- pela adopção, nestas últimas motorizações com caixa de velocidades manual, de um indicador de mudança de relação de caixa, para incitar o condutor a adoptar uma condução eficiente do ponto de vista ecológico.

· Desenvolvimento de novos equipamentos

Esta nova geração do 207 corresponde também a um enriquecimento dos equipamentos disponíveis de série ou em opção. A título de exemplo, em prol do conforto e da seguranca de condução, passam a estar disponíveis na gama 207, de série ou em opção consoante as versoes, os seguintes equipamentos:

- o sistema WIP Bluetooth
- o indicador impulsional de mudança de direcção
- a função subida dos vidros activada pelo telecomando (Berlina e SW)
- a função subida impulsional do vidro do condutor no 207 CC

Coincidindo com as diversas evoluções que são agora introduzidas no modelo, a Peugeot Portugal reformulou a gama 207 para torná-la ainda mais apetecível pelos clientes nacionais. Todas estas renovações resultam numa ainda maior competitividade do 207 que, em função das versões, tem reposicionamentos de preço que variam entre menos 1.000€ e menos 110€.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Eco-Condução

O que é uma eco-conduçao?
É uma forma de condução eficiente que permite reduzir:

• o consumo de combustível;
• a emissão de gases poluentes (principalmente óxidos de azoto e de enxofre) e de partículas resultantes da insuficiente combustão dos hidrocarbonetos;
• a emissão de gases com efeito de estufa (GEE), sobretudo dióxido de carbono (CO2), que contribuem para o aquecimento global;
• a sinistralidade, tendo em conta que se diminuem as acelerações bruscas e as travagens, tornando a viagem também mais confortável.

Porquê adoptar uma condução ecológica?

Porque ao adoptar hábitos de condução mais eficientes, ecológicos e seguros, tira maior partido das capacidades dos veículos, optimiza os consumos, reduz a poluição e o ruído e está a contribuir para a diminuição do número de acidentes rodoviários.

Dicas para ser um bom eco-condutor:

1. Passar para uma mudança mais alta. Deve-se fazê-lo o mais rápido possível, de preferência entre as 2000 e as 3000 rotações por minuto (RPM). Uma mudança alta significa uma rotação mais baixa, que resulta num menor consumo de combustível. (Potencial de poupança: 10%)
2. Manter a velocidade estável. Deve-se seguir sempre na mudança mais alta possível e com baixas RPM
3. Antecipar vias congestionadas. Deve-se prever o estado do tráfego e optar pelas estradas mais desimpedidas
4. Desacelerar suavemente. Deve-se tirar o pé do acelerador com tempo quer seja para abrandar ou para parar a marcha, sempre com o carro engatado
5. Verificar a pressão dos pneus frequentemente. A pressão do pneu demasiado baixa em 25% aumenta a resistência ao deslize do carro em 10%, o que provoca um consumo acrescido de combustível em 2%
6. Ligue o motor do carro apenas imediatamente antes do início da viagem e desligue o carro sempre que fique imobilizado mais do que um minuto.
7. Conduza a uma velocidade o mais constante possível e, acima de tudo, com suavidade, evitando acelerações/desacelerações e travagens bruscas. (Pode poupar 15% de combustível conduzindo a 80 Km/h, em vez de 100 Km/h)
8. Nas descidas de acentuada inclinação, deve manter o veículo engrenado numa mudança compatível (travar com o motor), obtendo assim maior segurança e consumo nulo.
9. Evite transportar bagagens no tejadilho da viatura. (A alteração das características aerodinâmicas do veículo aumenta em cerca de 5% o consumo de combustível)
10. Retire toda a carga desnecessária do porta-bagagens e assentos traseiros. (Potencial de poupança: 3%)
11. Utilize o ar condicionado apenas quando necessário. (O sistema de ar condicionado pode consumir até meio litro de combustível por hora e, no início de cada viagem, pode representar um aumento de consumo de cerca de 10%)
12. Mantenha o veículo afinado e verifique o nível do óleo com regularidade.

terça-feira, 16 de junho de 2009

Vacas e ovelhas poluem mais do que os carros

Apesar do ar inofensivo, vacas, búfalos ou camelos são das maiores ameaças para o ambiente. A produção de carne e as emissões de gases destes animais contribuem em 18% para o aumento do aquecimento global. Mais do que o sector dos transportes (13,5%). A solução passa por mudar a alimentação do gado, mas também a nossa, reduzindo o consumo de carne.

Está a pensar trocar o seu automóvel por um carro de bois para ajudar o ambiente? Esqueça. As vacas são das maiores responsáveis por emissões de gases poluentes para a atmosfera. Ao todo, o sector da criação de gado é o culpado por de 18% das emissões, bem mais do que o dos transportes, responsável por "apenas" 13,5% desta ameaça ao ambiente.

A culpa é do sistema digestivo de ruminantes como as vaca, ovelhas, búfalos ou camelos, mas também de animais como o porco, que funciona como uma pequena fábrica de metano, um gás 20 vezes mais prejudicial para o ambiente do que o dióxido de carbono emitido pelos meios de transporte, que é enviado para a atmosfera pelo estrume e flatulência.

Só estes animais produzem 9% das emissões enviadas para a atmosfera. Os outros 9% vêm dos processos necessários à produção - alterações dos terrenos para uso como pastagens, criação de gado, transporte dos animais e da carne para os talhos.

Para combater o problema dos gases do gado, cientistas por todo o mundo tentam descobrir maneiras de "suavizar" a digestão destes animais.

Desde Janeiro que as vacas de 15 quintas em Vermont, Estados Unidos, têm sido postas à prova com a introdução de uma nova dieta. Em vez das habituais refeições compostas de milho e soja, é-lhes dado alfafa, sementes de linhaça e trevos. Os dados recolhidos até ao mês passado mostram que os níveis de metano enviados para a atmosfera desceram 18%, enquanto a produção de leite se manteve.

A nova dieta é de facto a responsável por esta descida das emissões poluentes: os alimentos dados às vacas são mais fáceis de mastigar e digerir, o que faz com que os animais engulam menos ar ao comer.

Guy Chornier, produtor de iogurtes, notou que as vacas da herdade estão "mais saudáveis", com o "couro mais brilhante e o hálito mais suave". "Suavizar" o hálito das vacas é algo urgente, dizem os cientistas climáticos. As vacas têm no estômago uma bactéria que faz com que arrotem metano, e alguns estudos indicam que cada animal expele uma média de 500 litros deste gás para a atmosfera por ano.

Fazendo uma conta rápida: em Portugal existe um milhão e meio de cabeças de gado.

Se cada vaca envia para a atmosfera 500 litros de metano, temos 750 milhões de litros deste gás na atmosfera todos os anos apenas devido ao gado bovino existente.

Agora é fazer as contas a países como o Brasil (189 milhões de cabeças de gado), Índia (187 milhões) e China (110 milhões), isto referindo apenas os três países com mais gado bovino.

Estes valores são apenas metade dos produzidos pela indústria da carne. Um relatório da FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação) adiciona ainda os gases emitidos durante esta produção.

Para ter uma ideia, para se conseguir um quilo de carne polui-se tanto como conduzir um automóvel citadino durante 250 quilómetros e produz energia suficiente para acender uma lâmpada de 100 watts durante 20 dias.

Esperando-se que a produção de leite e carne duplique nos próximos 30 anos, as Nações Unidas consideram a criação de gado uma das mais sérias ameaças para o clima.

Nos Estados Unidos, a ameaça foi levada muito a sério e já começou o programa "vaca do futuro", que procura reduzir um quarto do total das emissões da indústria da carne até ao fim da próxima década.

Os cientistas estão a tentar de tudo para resolver este problema: começando pela genética - investigando vacas que emitem naturalmente menos metano - até fazer alterações nas próprias bactérias produtoras do gás.

segunda-feira, 15 de junho de 2009

24 Horas de Le Mans - Final

Equipa de Pedro Lamy em glória

DOBRADINHA NA VITÓRIA DA PEUGEOT TOTAL
EM LE MANS


A Equipa Peugeot Total acaba de sagrar-se vencedora das 24 Horas de Le Mans de 2009. Após umas longas 24 horas, repletas de emoção e expectativa, os Peugeot 908 HDi afirmaram a sua supremacia e dominaram do primeiro ao último minuto aquela que é considerada a mais bela e exigente corrida automóvel do mundo. Hoje, num momento histórico para a Marca do Leão, a Equipa desafiadora levou a melhor sobre a Audi, os vencedores das últimas cinco edições da prova.


Ao soarem as 15 horas no Circuito de La Sarthe, exactamente 5.206 km e 382 voltas após a partida, o carro 908 HDi Nº. 9, com Marc Gene ao volante (Alexander Wurtz/David Brabham), cortou a linha de meta e cumpriu o sonho perseguido pela Peugeot há três anos (e a alegria de muitos franceses): vencer de novo a lendária corrida de Le Mans.

16 anos após a vitória conseguida pelo 905, a Peugeot voltou assim a inscrever o seu nome na prova que todos os pilotos e marcas desejam ter no palmarés. E fê lo de forma particularmente brilhante, com uma ‘dobradinha’, já que o 908 HDi FAP Nº. 8, da equipa Sarrazin/Montagny/Bourdais, cortou a meta em segundo lugar, a uma volta dos companheiros.

Dando prova de grande maturidade e fiabilidade, os três Peugeot oficiais terminaram a prova. O 908 Nº. 7 (Lamy/Minassian/Klien) chegou ao fim na sexta posição, com 356 voltas ao circuito.

Nesta edição de Le Mans, os quatro 908 HDi FAP (três oficiais e um privado) não perderam tempo a revelar a sua competitividade, qualificando-se nos cinco primeiros lugares da partida, no sábado. Na prova, o Peugeot Nº. 8 dominou sensivelmente as primeiras seis horas e esteve 105 voltas à frente, antes de ceder a liderança aos companheiros do Nº. 9, devido a uma paragem na ‘box’ para substituir o semi-eixo traseiro esquerdo. A partir desse momento, por volta das 20h50, o Nº. 9 da Peugeot não mais largou a dianteira da corrida. À noite ainda se assistiu a um ataque da equipa mais rápida da Audi, mas que se revelou infrutífero. Sucessivamente Wurtz, Gene e Brabham impuseram o ritmo e cimentaram o domínio do Nº. 9 ao longo de 270 voltas até ao final.

A Peugeot conquistou assim a terceira vitória em Le Mans, depois do 905 ter ganho em 1992 e 1993. Desta vez venceu um protótipo diesel.

Sonho português adiado

Pedro Lamy tinha este ano fortes possibilidades de vencer as 24 Horas de Le Mans, ao volante do 908 Nº. 8 partilhado com Minassian e Klien, e Lamy ainda surgiu dominador na fase inicial, ao subir ao segundo lugar logo na 2ª volta e ajudar o líder a impor o ritmo que mais interessava à equipa. Mas o incidente de ontem à tarde na ‘box’ atirou a formação para o 51º. lugar, o que os levou a protagonizar uma recuperação notável até ao 6º posto final.

Primeiro, Minassian, e depois Klien e Lamy foram, em cada turno, dos pilotos mais rápidos em Le Mans. Uma recuperação que apenas não chegou ao top five porque a máquina se debateu, durante a noite, com alguns problemas e paragens mais prolongadas na ‘box’.

Olivier Quesnel: “Até assumir a Direcção desta equipa tinha uma imagem errada da Peugeot Sport. Rapidamente percebi que esta é uma equipa muito forte e sólida. Há 3 anos que a equipa persegue este sonho de vencer Le Mans e conseguiu-o hoje, pelo que sinto um grande orgulho em estar aqui. A corrida não esteve isenta de problemas para os carros Nº. 7 e 8, mas o Nº. 9 não teve qualquer problema e fez uma excelente prova. Hoje ao amanhecer, quando o nº 8 estava a atacar muito e a aproximar-se do nº. 9, reuni com as três formações e pedi apenas para ninguém correr riscos desnecessários. Vencemos com uma dobradinha, da qual toda a equipa sente enorme orgulho e está de parabéns!”

Pedro Lamy: “Agora que a corrida acabou fica, acima de tudo, o sabor da vitória da Peugeot. É neste projecto que estou envolvido, sinto que contribuí e que faço parte da vitória da Equipa, apesar de não ter sido o meu carro que ganhou. Penso que à partida tinha grandes possibilidades de vencer, mas os problemas que tivemos fizeram-nos perder muito tempo. O mais importante é que se concretizou o sonho da Peugeot de regressar às vitórias em Le Mans.”

CLASSIFICAÇÃO FINAL
1. M. Gene/A. Wurz/D. Brabham (Peugeot) 382 voltas
2. S. Sarrazin/F. Montagny/S. Bourdais (Peugeot) a 1 volta
3. R. Capello/T. Kristensen/A. McNish (Audi) a 6 voltas
4. J. Charouz/T. Enge/S. Mucke (Lola Aston Martin) a 9 voltas
5. O. Panis/N. Lapierre/S. Ayari (Oreca AIM) a 12 voltas
6. N. Minassian/P. LAMY/C. Klien (Peugeot) a 13 voltas

PEUGEOT E SARRAZIN CONSEGUEM A TERCEIRA POLE POSITION CONSECUTIVA

Lamy fará a partida para esta mítica corrida

Pelo terceiro ano consecutivo, o piloto Stéphane Sarrazin conseguiu qualificar um Peugeot 908 HDi FAP na pole position das 24 Horas de Le Mans, após uma volta memorável ao circuito, em 3’22’’888. Quando a corrida começar, no sábado, às 14h00 de Lisboa, os três carros da Equipa Peugeot Total arrancarão das três primeiras linhas da grelha de partida e Pedro Lamy será o primeiro piloto ao volante do 908 nº 7.

A sessão de qualificação terminou ontem às 24h00, no circuito de La Sarthe, e colocou quatro Peugeot 908 HDi FAP – três oficiais e um “privado” – no top five. Foi a primeira vez na história recente das 24 Horas de Le Mans que equipas e pilotos dispuseram apenas de uma sessão de ensaios qualificativos para tentar a pole position. Com a anulação do primeiro dia de testes e as péssimas condições meteorológicas nos ensaios livres de quarta-feira à noite, restava ainda bastante trabalho de afinações antes de se pensar na “caça” à pole.

Por isso, esta noite, a missão principal das três tripulações da Equipa Peugeot Total foi colher dados sobre os diferentes compostos de borrachas postas à disposição pela Michelin para este fim-de-semana e apurar as últimas regulações nas respectivas máquinas.

Olivier Quesnel, Director da Peugeot Sport: “Com todo o trabalho que ainda restava fazer, só após as 23h30 dei o meu acordo para Stéphane tentar assinar um tempo de referência. Concedi-lhe três voltas para consegui-lo e ele fê-lo em cinco… mas não lhe guardo rancor por isso”, brincava o responsável da equipa. “Sabe muito bem ver os quatro Peugeot 908 HDi FAP nos cinco primeiros lugares, mas não devemos esquecer que isto são apenas as qualificações. A única coisa que interessa é o resultado de domingo à tarde. Mas o Stéphane, os restantes pilotos e todos os elementos da equipa estão naturalmente de parabéns.”

A meia hora do fim da qualificação, Stéphane Sarrazin (Peugeot N°8) ficou a menos de uma décima de segundo do melhor tempo até ao momento. Após duas tentativas em que foi perturbado pelo tráfego em pista, a 11 minutos do fim Stéphane conseguiu a proeza de alcançar a sua 3ª pole consecutiva em Le Mans com um tempo de 3’22’’888. O piloto da Peugeot igualou assim o hat-trick de Jacky Ickx, entre 1981 e 1983. Por seu lado, Nicolas Minassian (Peugeot N°7) aproveitou para alcançar o terceiro melhor tempo, pelo que Pedro Lamy, o seu companheiro de equipa, fará a partida do 3º lugar da grelha.

O Peugeot n°9, de Brabham/Gené/Wurz, completa o top-five de uma sessão de qualificação emocionante.

Stéphane Sarrazin (Peugeot N°8): “É um excelente resultado para a equipa, mas eu, o Franck e o Sébastien estivemos, sobretudo, a trabalhar nos set-ups para a corrida. O objectivo é ter uma boa partida no sábado e fazer uma boa prova.”

Nicolas Minassian (Peugeot N°7): “Eu e o Stéphane tivemos estratégias completamente diferentes ontem à noite, já que o Peugeot N°7 e o N°9 estavam com configurações de corrida. Estou satisfeito com o trabalho que realizámos, o carro está bastante equilibrado, os pneus Michelin mostraram-se consistentes e, mesmo nesta configuração, fizemos um tempo interessante.”

Pedro Lamy Peugeot N°7: “No espírito do que a Peugeot pretendia, ontem trabalhámos no sentido de estarmos bem preparados para a corrida, por isso espero ter o carro em boas condições amanhã. Vou largar do terceiro lugar, que é uma óptima posição e espero conseguir manter o ritmo durante as primeiras horas para estarmos a lutar pelos primeiros lugares.”

Posição final na qualificação:
1. Bourdais/Montagny/Sarrazin (Peugeot N°8), 3’22’’888
2. Capello/Kristensen/McNish (Audi N°1), 3’23’’650
3. Klien/Lamy/Minassian (Peugeot N°7), 3’24’’860
4. Boullion/Pagenaud/Tréluyer (Peugeot N°17), 3’25’’062

terça-feira, 2 de junho de 2009

5008 - O novo perfil do monovolume

Com o 5008, a Peugeot propõe uma nova interpretação do monovolume compacto. Este novo modelo, que retoma os valores estruturantes da Marca, optimiza todos os atributos expectáveis neste segmento, sem transigências num comportamento em estrada excepcional, e introduz tecnologias de ponta ao serviço do conforto e da segurança de condução.

O 5008 tem por ambição fixar novas referências no mercado dos monovolumes compactos.

Peugeot alarga a sua cobertura de mercado no segmento M1

O 5008 vem completar de forma natural a oferta da Peugeot no segmento M1. Este monovolume compacto de 5/7 lugares, com um comprimento de 4,53m e altura de 1,64m, representa a ofensiva da Peugeot no segmento dos veículos volúmicos altos do M1 e constitui uma oferta determinante no reforço dos veículos familiares da Marca.

Um monovolume de estilo elegante e aerodinâmico

No plano do estilo exterior, o 5008 distingue-se por uma linha equilibrada e por um perfil particularmente elegante. O seu desenho aerodinâmico (Cx de 0,29 e Scx de 0,77) recorda… os comboios de alta velocidade, sugerindo fluidez e aptidões dinâmicas de primeiro nível.

A frente, com os faróis estirados e o capot muito mergulhante, prolongado por um amplo pára-brisas que nasce ao nível do eixo da roda da frente, parece concebida para penetrar no ar da forma mais eficaz.

Esta fluidez natural que emana do 5008 é sublinhada pelas inserções cromadas que ornamentam o conjunto da grelha dianteira, conferindo-lhe estatuto e elegância.

Os flancos, tratados de forma pura e longilínea, confirmam a impressão de movimento permanente que a viatura transmite, enquanto que a cintura da carroçaria elevada inspira segurança.

A ampla superfície vidrada parece rodear, sem descontinuidade, o conjunto do veículo, o que se deve, nomeadamente, ao desenho específico do grande vidro de custódia que se funde com o óculo traseiro. É uma aposta num habitáculo luminoso e agradável de viver para todos os ocupantes, incluindo os passageiros de trás que poderão aproveitar amplamente a luz difundida generosamente através do grande tejadilho panorâmico em vidro.

A observação do perfil permite ainda descobrir uma linha de estilo elegante que nasce ao nível da porta traseira para se intensificar sobre o guarda-lamas e envolver a zona posterior do 5008. Este traço de estilo proporciona aos flancos um toque dinâmico suplementar, conferindo maior carácter à porta traseira do 5008.

Pelo seu desenho específico e característico, mas também pela tecnologia de guias de luz, os farolins traseiros conferem uma assinatura visual ao veículo. O bloco traseiro da viatura proporciona uma impressão de pureza, de robustez e de estatuto. O desenho da porta posterior deixa adivinhar uma grande facilidade de acesso ao compartimento de bagagens, o que constitui uma qualidade essencial numa viatura familiar.

Este novo estilo baseia-se numa interpretação inédita do monovolume compacto, onde o aspecto dinâmico do estilo exterior se conjuga harmoniosamente com um importante volume habitável no interior.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Peugeot Urgence - Uma estreia em Portugal

Serviço já socorreu mais de 3.000 automobilistas europeus

O serviço Peugeot Urgence, exclusivo do grupo PSA, acaba de estrear em Portugal com o lançamento dos novos modelos da Peugeot, o crossover 3008 e o 308 CC. Este serviço inovador de emergência localiza exactamente a viatura em caso de acidente e desencadeia os mecanismos de socorro. É proposto pela Marca, sem limite de duração, em todos os modelos com sistema telemático com módulo GSM.

Peugeot Urgence é um serviço de urgência oferecido a todos os clientes que adquiram um veículo novo, equipado com os sistemas telemáticos WIP Com e WIP COM 3D. Numa situação de emergência, permite a localização exacta da viatura e a intervenção rápida dos meios de socorro adequados, tendo atendimento permanente, 24h/dia e 7 dias/semana.

Vantagem de segurança importante para os ocupantes de automóveis Peugeot, este serviço actua de forma automática em caso de acidente, se houver disparo dos elementos pirotécnicos do veículo (airbags ou pré-tensores dos cintos). O serviço pode ser igualmente activado, de modo manual, pressionando o botão SOS, no caso de outro tipo de situações de emergência.

Desde que esteja inserido no rádio-telefone um cartão SIM válido de um operador de telecomunicações móveis, e existindo cobertura de rede, o sistema envia automaticamente uma mensagem SMS para a equipa de assistência Peugeot Urgence, em simultâneo com a realização da chamada de voz. Esta mensagem, que permite desencadear o auxílio, inclui dados como a identificação precisa da viatura, a sua localização, o sentido da marcha e o tipo de chamada, manual ou automática.

A partir deste momento, a plataforma de assistência comunica com os ocupantes do veículo, avalia a situação e, caso se justifique, informa os serviços de emergência adequados, como os bombeiros ou o INEM, fornecendo-lhes as informações vitais (tipo de ocorrência, gravidade, localização do automóvel, modelo, etc.) para acudirem rapidamente ao local. Se não houver resposta por parte da pessoa acidentada, os socorros serão enviados de imediato, reduzindo significativamente os tempos de intervenção.

Este serviço de segurança terciária insere-se na estratégia da Peugeot de procurar constantemente a maior segurança para os seus automóveis e ocupantes. Seja na vertente passiva, dotando os modelos de avançados elementos estruturais de absorção de energia, na vertente activa, com os airbags inteligentes, ou mesmo na vertente dinâmica através de chassis ágeis e seguros, e de sistemas de ajuda à condução.

Actualmente, e além de Portugal*, o serviço encontra-se activo em Espanha, França, Alemanha, Itália, Bélgica, Luxemburgo e Holanda, sendo prestada assistência em português nestes países. Desde o seu lançamento em 2003, o Peugeot Urgence já permitiu socorrer mais de 3.000 utilizadores na Europa, 1.500 dos quais através de chamada automática. No total, circulam aproximadamente 350.000 automóveis equipados com o sistema.

Refira-se que este serviço pode ser activado em qualquer modelo da marca, desde que tenha incorporado um sistema de navegação com um telefone móvel integrado (sistemas RT3, RT4, RT5/ WIP Com e WIP Com 3D).

O serviço é gratuito para viaturas novas, ficando apenas a cargo do cliente o custo das chamadas telefónicas e do envio de mensagens SMS, de acordo com o tarifário contratado com o seu operador de telecomunicações móveis. No caso de viaturas usadas, será necessário apenas proceder à parametrização do sistema.

* Excluindo a Região Autónoma dos Açores, por ainda não se encontrar cartografada. Prevê-se a sua inclusão no decurso deste ano.